quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

MANIFESTO BREJEIRO

Zildo Gallo


O paturi passeia no brejo,
E o quero-quero também vive lá.
O sapo canta versos ao brejo
E o pequeno guaru nele faz piruetas.
A taboa é a flor do brejo
E o brejo é cheio de vidas e belezas.

Não enterrem (aterrem) o brejo
Na vossa humana ignorância.
Amaldiçoados sejam todos aqueles
Que entulham os brejos vivos
Com seus lixos e mentes!
Eles não sabem o que fazem?

Não me sinto um bom cristão
Neste poema indignado,
Mas espero ser
Plenamente perdoado.

http://www.boaenergia.com.br/bandeirante/municipios.php?m=46


3 comentários:

  1. Em minha cidade havia um brejo extenso, que gradativamente vai sendo aterrado e prédios e casas são plantados sobre ele. É tão triste! Eu ainda ouço sapos quando chove, mas cada vez menos... Brejo deveria se área de preservação ecológica e o terreno desapropriado.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente, os brejos precisam ser preservados, assim como outros ecossistemas. A humanidade está cavando o seu próprio túmulo, infelizmente...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Todos os brejos deveriam ser área de preservação . Eles nos ajudam no eco sistema Este poema nos lembra de como estamos destruindo a natureza .

    ResponderExcluir